terça-feira, 26 de junho de 2012

PirlimPLIM-PLIM

“A consciência de que televisão é também um serviço público nos faz tomar atitudes como a de investir mais de 2 milhões de dólares, sem retorno, em programas como “Vila Sésamo”, “Concertos para a Juventude” e no cuidado especial com a programação infantil de entretenimento, mesmo reconhecendo que é atribuição da televisão educativa, muito mais que da TV comercial.” (Narrador da TV Globo)

Hoje a televisão brasileira perdeu um de seus mais importantes ícones. Aos 47 anos, morreu a programação infantil da TV Globo. A causa da morte foi amplamente divulgada: a estreia do programa “Encontro com Fátima Bernardes”. Mas já vinha se mantendo viva com dificuldades há algum tempo. Nascida em 1965, contando, entre outros, com o palhaço Zás Trás, passando pela "Vila Sésamo", o "Sítio do Picapau Amarelo" e o "Balão Mágico", alcançou seu auge na segunda metade dos anos 1980: em 30/06/1986, a TV Globo estreava o "Xou da Xuxa". E havia os desenhos, ah! os desenhos. Outras fórmulas se sucederam, a simpática "TV Colosso" e a novelinha da Angélica, até o minimalismo da "TV Globinho": meras chamadas de atores nível Malhação entre os desenhos. Ah! os desenhos, as intermináveis reprises de "Caverna do Dragão" e o "Bob Esponja", com cada vez menos espaço nas manhãs.

Em 25/06/2012, a TV Globo estreia “Encontro com Fátima Bernardes”. Em um processo que ensaiava há alguns anos, a emissora desliga os aparelhos que mantinham viva sua programação infantil (apesar da internet, do crescimento precoce das crianças, de tantas outras distrações conquistadas nos dias de hoje, entre as quais a brincadeira favorita e incansável é mandar nos pais). Pode ser que a televisão nunca tenha educado, mas pelo menos ela doutrinava, deixando as crianças mais quietinhas enquanto estavam entretidas.

Não vou falar da geração que vai crescer sem esse tipo de memória, porque os tempos são outros, as fontes de entretenimento são várias e, para uma pequena parcela da população, existe a TV por assinatura. Sem drama. Mas acho muito triste uma infância sem, pelo menos, os desenhos.

Descanse em paz, programação infantil da TV Globo. Vida longa ao "Bom Dia & Cia"! (Felizmente, o SBT parou  no tempo.)

Não tenho vergonha de dizer que estou triste.