quarta-feira, 15 de julho de 2009

O clã dos Francelino

Todo ano, por ocasião das festividades da data natalícia de minha mamadi Mamãe Oliveira, procuro fazer uma reflexão sobre a origem e importância do clã dos Francelino neste mundo. Nenhumas, claro. Certa feita, empenhei-me em árdua pesquisa, que me revelou as parcas informações agora trazidas à baila.
Fradique, Francelino, Francisco: significa "relativo aos franceses" e indica uma pessoa de caráter firme e audaz, mas que encontra problemas no relacionamento social porque quer que sua opinião sempre prevaleça.
Faz bastante sentido. São tudo gente teimosa e de gênio ruim.
Francelino - Diminutivo de Francélio.
Francélio - nome poético criado pelo escritor Bingre.
Fui atrás do tal Francélio e do tal Bingre, dos quais, ouso dizer, nunca tinha ouvido falar. Quase não há informações. Apurei que Francisco Joaquim Bingre era um poeta português dum movimento chamado Nova Arcádia (do qual nunca ouvi falar tampouco), nascido em 1763, na freguesia de S. Thomé de Canellas, bispado de Coimbra, Portugal, pois. Ele usava o pseudônimo de Francélio Vouguense. Segue o assento de baptismo do dito.
ASSENTO DE BAPTISMO
Aos dezesete dias do mêz de Julho de mil setecentos e sessenta e três, baptizei a Francisco Joaquim, filho legítimo de Manuel Fernandes e de Ana Maria Hibingre, da Pedregosa, desta frequezia de S. Thomé de Canellas, bispado de Coimbra; neto paterno de Manuel Frernandes, e de sua mulher, Joanna Dias, d'esta freguezia de Canellas e materno do capitão Gaspar Hibingre e de Maria Catharina Hibingre, da cidade de Viena d'Austria. Nasceu aos nove do dito mêz e anno. Foram padrinhos Francisco da Silva Martins e Maria, donzella, filha de Manuel João de Figueiredo, da mesma freguezia, e testimunhas o M. R. P. António da Trindade, e Domingos Dias Henriques: do que tudo fiz este assento, que assignei. Era ut supra. O cura José dos Santos Barbosa Carrancho - P. António da Trindade - Domingos Dias Henriques.
As datas me assombram. Se vivo fosse, Francélio teria completado na última quinta-feira 246 anos, certamente tomando caldo verde em alguma quinta da freguesia de Canelas. Percebi uma tênue ligação com a minha árvore genealógica. Afinal, Canela era a alcunha do meu pai, que assim se apresentava à sociedade da Laguna e cercanias: Geraldo de Oliveira, popular Canela. Mas ele não era um Francelino, apenas casou com uma. Ou, antes, fugiu. Antigamente as pessoas não casavam, fugiam.
Dando prosseguimento à minha pesquisa, encontrei uma frase de Bocage, poeta português tido como pornográfico, que menciona o tal Francélio:
"Ferve no audaz Francélio, e rompe os astros
Sacro delírio, destemida insânia."
Essa origem me agradaria mais, visto que os Francelinos são bem desbocados. Alguém de minha parentela certamente louvaria o quão grande "poeteiro" era o Bocage. Mas não faço a menor ideia do que seja o Francélio a que ele se referiu.
Diante de informações tão disparatadas, não entendi patavina. Sobre a origem do clã dos Francelino, nada. Deve ser como diz a tia Zeza: "São lá do meio do mato."

Eu nasci assim, eu cresci assim

Um comentário:

Anônimo disse...

Ola caro amigo tive pesquisando sobre a origem do meu nome que é Francélio interressante essa sua pesquisa eu moro em cuiaba mt meu nome é francelio fernandes abraços